Thursday, October 29, 2009

casa de ir

sem botões,abro a porta com os pés descalços,
não por descuido,
mas como se isso fosse o cabelo raspado.
calcanhares afundados no zero,
como se isso fosse o pasto com barro
onde roço as beiradas
da saia
de ir.
como se eu fosse de olhos fechados,
não por confiança
nem pra fugir do disparo,
mas pq dentro-escuro soa vento aberto
com braços
de mar lá em cima
de mar lá embaixo
de gato escaldado
e gotas pra dentro
de engasgo.

chorar? eu não pedro bó,
tô é lavando o olhar e só.

1 Comments:

At 7:33 AM, Blogger LRP said...

:) ! poemas

 

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home